Gastronomia Paranaense e a Influência dos Imigrantes

4 May 2018

 Hoje nosso bate papo no CBNGastronomia - CBNMaringá com Gilson Aguiar foi sobre a gastronomia paranaense e suas riquezas! Falamos sobre a cultura, a influência dos imigrantes e vários pratos típicos da nossa região!

 

<<<<<< Clique no banner lateral e acesse o site para ouvir nosso bate papo!

 

E falando em cultura, a gastronomia paranaense também é resultado de múltiplas influências que passam pela riqueza do litoral, imigração até a herança dos tropeiros

O Paraná não tem apenas um prato que o identifique de leste a oeste e de norte a sul, como o pão de queijo em Minas Gerais ou o churrasco no Rio Grande do Sul. Pelo contrário, a nossa gastronomia é plural e baseada em um tripé: a influência dos imigrantes, o fato de estarmos situados no meio do caminho dos tropeiros (que iam do Rio Grande do Sul para São Paulo) e a riqueza do litoral, com receitas e ingredientes tanto do mar quanto da Mata Atlântica.

 

 

O barreado certamente é o mais conhecido dos pratos típicos do Paraná. Mas, nas nossas panelas, entram bem mais do que carne, laranja e banana. Entram a carne suína e o repolho do pão no bafo da região de Palmeira, o peixe pintado servido na telha, da região oeste; a quirera branca e o coelho (que anos mais tarde se transformou na amarela com porco), da Lapa, e outros tantos preparos.

 

Essa diversidade é resultado em parte das muitas correntes migratórias – como os árabes, ucranianos, poloneses, portugueses, italianos, alemães, japoneses e africanos, apenas para citar algumas – que colonizaram nosso estado.

 

O Paraná também foi palco das trocas feitas entre a população nativa e os tropeiros. “Os tropeiros que vinham do Rio Grande do Sul trouxeram a quirera branca, de sabor amendoado, e a preparavam com coelho. Eles levaram essa quirera para São Paulo e voltaram trazendo o suã e os miúdos do porco, além do milho amarelo”, explica o chef Flávio Frenkel, da Anis Gastronomia.  Além da quirera, eles ainda nos deixaram o charque e o virado de feijão.

 

 

Algumas delícias da riqueza gastronômica do paraná:

 

Banana:

Derivados de banana do litoral são bala de banana, banana passa, farinha de banana, chips de banana e doce em pasta de banana.

 

Erva mate de São Mateus do Sul 

Em seu cultivo, as características do solo e o beneficiamento são aspectos que diferenciam a erva mate dessa região.

 

Farinha de mandioca do litoral.

A produção é feita artesanalmente com um processo que não remove o amido. A farinha é acompanhamento indispensável do barreado.

 

Goiaba de Carlópolis

A fruta é produzida durante o ano todo com a técnica de ensacar os frutos, que elimina o uso de agrotóxicos no controle de insetos-praga.

 

 Melado de Capanema

A produção de melado em Capanema é artesanal e realizada até hoje seguindo o as técnicas dos agricultores descendentes de italianos e alemães.

 

Mel de jatai do Lago de Itaipu

Na região existem cerca de dois mil produtores artesanais.

 

Queijo de Witmarsum

A Cooperativa Witmarsum produz 11 tipos diferentes de queijos: queijos frescos (minas frescal e ricota fresca), queijos semi-moles (asiago e colonial), queijos maturados por fungos (brie e camembert) e queijos curados (appenzeller, emmental, raclette e fondue).

 

Uva de Marialva

O solo de alta fertilidade e o clima da região proporcionam uvas com elevada acidez e intensidade de cor. Ocorrem duas safras por ano, novembro a janeiro (safra normal) e de maio a julho. 

 

~ (fonte gazeta do povo)

 

 

E pra fechar com chave de ouro, segue uma receita alemã divina:

 

 

 

Eisbein com Chucrute

(joelho de porco com chucrute)


 

JOELHO DE PORCO


INGREDIENTES

- Alecrim
- Louro
- Alho-poró
- Salsão
- Sal
- Cravo-da-índia
- Pimenta-do-reino-branca
- Cebola
- 1 peça de joelho de porco

 

 

MODO DE PREPARO
1.  Pique a cebola, o salsão e o alho-poró.


2. Em uma panela, coloque um pouco de água e os ingredientes fatiados.


3. Coloque a peça de joelho de porco e adicione o alecrim, o louro, o sal, o cravo-da-índia e a pimenta-do-reino branca.


4. Complete com água.


5. Deixe cozinhar durante 2 horas.


6. Após cozida, asse a carne na churrasqueira a bafo ou no forno convencional a 200 °C por 20 a 30 minutos.

 

 

 

CHUCRUTE

 

INGREDIENTES

- Repolho
- Toucinho
- 1 colher de sal
- 1 colher (café) de açúcar
- Pimenta
- Zimbro
- 2 taças de vinho branco seco

 

 

MODO DE PREPARO

- Pique o repolho em pequenas fatias.


- Adicione os ingredientes em uma panela e deixe refogar.

 

Agora é so montar seu prato e servir! Uma deliciosa semana pra você.

 

Te aguardo pro próximo post.

beijos

 

 

 

 

Compartilhe
Compartilhe
Curta!
Please reload

Categorias
Please reload

Archive
Please reload

Receba as novidades
Please reload

Postagens Recentes